Outros

Homenagem ao Dr. Malagodi & Pe. Genival

Em primeiríssimo lugar nossos mais profundos
agradecimentos, nobres vereadores, um agradecimento que busca ser
significativo, pois parte daquilo que temos de mais humano, de nossa
dimensão espiritual e dirigido para a vossa dimensão espiritual, pois é
aí que deve habitar as nossas maiores e melhores virtudes, e onde
nasce e viceja o verdadeiro amor.

Reconhecemos que aquele primeiro aperto de mão que já
nos recebia, quando aqui chegamos, e de forma tão carinhosa,
naquele dia hoje tão distante mas inesquecível, nesta noite se
transforma num tão imenso abraço quanto a vastidão deste lindo
município, e acalorado com toda a nobreza do vosso coração.

Permitam-nos, senhores vereadores, por um justo mas
breve momento, compartir esta nossa titulação e nossos diplomas, e
estender a homenagem que ora recebemos, a tantas pessoas que
somando seus esforços, tornaram possível viabilizar nossos projetos.
Cito como destacado exemplo e um trabalho maravilhoso, o Banco de
Leite Humano de nossa querida cidade, eficiente e insubstituível em
seu desiderato, juntando-se hoje, aos 216 outros bancos que, num país
que desde 1930, quando se instalou aqui no Brasil o primeiro, mantem
a hegemonia mundial, num capítulo essencial para a saúde de todos os
brasileiros.

Graças ao eficiente trabalho da atual gestão municipal, o
nosso Banco de Leite Humano encontra-se com instalações perfeitas e
uma tecnologia de ponta, orgulho para todos nós, jundiaienses, tanto
para os naturais quanto para nós, hoje carinhosamente adotados.
Mas, nossos agradecimentos talvez não ressoem para além
deste momento se não buscarmos um sentido maior para esta noite
tão festiva. E isto eu gostaria, com muita emoção, de partilhar com
todos, um significado mais profundo, de um instante que não deve ser
um ponto de chegada, mas, um farol que vai nos iluminar para os dias
que ainda nos restam, no cumprimento de uma tarefa, tanto para
aqueles que, com sabedoria legislam, como para aqueles, que dotados
de virtudes tão necessárias, sabem entender as leis decretadas.

Permitam-me, para tanto, utilizar dos conceitos atualizados
da logoterapia, e isto numa justa homenagem a seu criador, Viktor
Frankl, cientista de uma sabedoria iluminada, que nos mostram que o
ser humano sobrevive numa constante e saudável tensão entre o ser e
o dever ser.

É um ser que nunca está completo, mas buscando
incessantemente sua completude; em outras palavras, sua tão
necessária humanização.

Deve, para tanto, usar sua liberdade com responsabilidade
e não se deixar encantar pelo livre arbítrio, que muitas vezes o atira nas
sendas do individualismo, alheio a todas as virtudes e incapaz de se
realizar numa comunidade de pessoas, esquecendo-se de que o próprio
desenvolvimento de nossa tão cara dimensão espiritual cresce no inter-
relacionamento fraterno com nossos semelhantes.

Sempre há e haverá, oportunidades para progredir e
desenvolver-se mais, e com isso podemos afirmar com segurança, que
a nossa humanização está, portanto, inacabada. Partimos desta vida

sem termos utilizados os 15 bilhões de neurônios que o Criador nos
dotou.

Morremos incompletos e isto será, para todos nós, a ultima

de tantas lamentações.

Este evento que estamos hoje celebrando, deve ajudar-nos
a uma aproximação tão desejada do dever ser, aproximação esta que
não privilegia apenas os homenageados mas também os
homenageandos e todos vocês que compartilham conosco desta noite
de efusivo encantamento e pura alegria.

Nossos legisladores fazem as leis que, com justiça e
sabedoria, encaminham a sociedade para uma convivência digna de
sua humanidade, que quer se tornar cada vez mais fraterna e solidaria,
justa e acolhedora, e com tudo isso, plenamente feliz, fazendo com que
todos possam caminhar para o seu dever ser.

De nossa parte, devemos corresponder no cumprimento
irrestrito das leis aprovadas, para que, seus objetivos, sempre os mais
elevados, sejam todos alcançados.

Nessa convivência colaborativa entre legisladores e
munícipes, constrói-se uma sociedade tão sonhada por nós, de onde se
destaca fundamentalmente, o papel da família, como um verdadeiro
canteiro de virtudes e a solitária, porque única, protetora da ordem
social. E esta Câmara Municipal, tão dignamente tem reconhecido seu
insubstituível valor e por ela, a família, tem atuado com um empenho
vigilante, porque não nos faltam ideologias extemporâneas e
ultrapassadas, cultivadas por falsas intelectualidades, que procuram
destruí-la. E estas condutas deletérias, silenciosas e disfarçadas, estão
hoje na mídia, em parte da imprensa, nas universidades e até mesmo
nos tribunais.

É ela, a verdadeira família, e é preciso insistir no adjetivo
que a precede, instituição divina e por isso imprescindível e

insubstituível, pois toda nação que deseja prosperar e desenvolver
seus filhos dentro de comportamentos éticos, não pode viver sem ela.
Saibam, senhores legisladores, que o ser humano de
caráter, fruto exclusivo da família, não precisa de leis para atuar com
dignidade no universo onde vive; e saibam também que o homem sem
caráter nunca as cumpre. E é aí que deve estar a sua sabedoria e a sua
competencia, direcionando seus mais inteligentes projetos para
proteção desta instituição imprescindível.

É ela, a verdadeira família, uma fonte inesgotável de amor,
que transcendendo os limites familiares, pode unir todos os seres
humanos numa grande comunidade, fraterna e solidária, e graças a
isso, transformá-la num grande país. Pois é ela a única escola a nos
ensinar que só há um poder, o de salvar; só existe uma honra, a de
ajudar.

Neste momento de minha breve alocução, gostaria de
prestar uma outra justa homenagem, à mulher, a toda mulher,
compartilhando da sabedoria de Ashley Montagu, humanista e
antropólogo de reconhecimento mundial, que afirma ser ela a
civilizadora do homem, e aqui meu particular agradecimento à minha
querida esposa.

É a mulher, sem dúvida, o centro unificador de toda família
e sua referencia para todos os gestos e palavras de amor. São João
Paulo II, com sua profunda percepção humana, completou os
ensinamentos de Montagu, ao escrever que o amor de Deus que está
no Céu, chega ao homem aqui na terra, através da mulher.

Se neste inesquecível momento celebramos o labor
desinteressado e o justo reconhecimento, temos absoluta certeza, isto
é herança desta maravilhosa instituição que é a verdadeira família e
onde desponta sempre, a figura majestosa da mulher, esposa e mãe,
merecedora de nossa diuturna e efusiva reverencia.

Contudo para nós brasileiros, que vemos, tristemente, a
presença de um estado excessivamente burocratizado e com uma
máquina administrativa hipertrofiada e dispendiosa, numa sociedade
cada dia mais injusta e violenta, já nos faz pressentir o quanto nos tem
faltado a verdadeira família.

Nunca houve e nunca haverá instituição alguma, criada
pelo ser humano, que possa, nem de longe substituir a verdadeira
família, onde tudo que lhe é externo precisa ser subsidiário para não
comprometê-la em sua nobre missão. E é com muita alegria e com
justa afirmação, que nós, homenageados devemos também agradecer
ao Criador, o quanto somos gratos e ao mesmo tempo felizes com
nossos caros homenageandos, porque sempre vislumbraram a
fundamentalidade da família, e por ela, batalham diuturna e
incansavelmente. Por isso e muito mais, repito e renovo, nossos mais
sinceros agradecimentos.

Parece-me que esta convivência inteligente e tão próxima,
entre legisladores e munícipes, e com a ajuda da imprescindível
assistência Divina, deve nos equipar, nesta constante mas saudável
tensão entre o ser e o dever ser, para esta nossa constante busca de
sentido, que outra coisa não é senão, uma existência que procura, dia
após dia, realizar-se como imagem e semelhança de Deus.

Neste mundo há lugar para todos e precisamos conviver
com a felicidade dos outros e não com o seu sofrimento. Não
precisamos mais de maquinas, mas de humanidade. Mais do que
inteligência, queridos amigos, precisamos urgentemente de carinho e
de bondade, para que o nosso olhar fraterno e protetor esteja sempre
vigilante para com a dignidade da vida humana, que se inicia,
indubitavelmente, com a sua concepção.

O Reino de Deus está dentro de cada ser humano, que se
enriquece de humanidade cada vez que se aproxima de seu semelhante

para amá-lo. Esses talentos nunca nos faltaram, mas é preciso
urgentemente desenterrá-los.

Apesar dessa nossa atualidade, tão cheia de indignidades,
este momento marcante em que nos encontramos aqui e agora,
homenageados, homenageandos, e nossos amigos aqui presentes, seja
todo ele rico de esperança na construção colaborativa de um mundo
melhor, somando nossos esforços, para que o ser humano possa
mostrar todo o seu valor e o reconhecimento de sua maravilhosa
existência e do ambiente onde generosamente está colocado,
ambiente este hoje severamente ameaçado.

Nossa busca do dever ser deve continuar, e esta bela e
inesquecível noite nos instrumentaliza a realizá-la. Obrigado, mais uma
vez, senhores vereadores, porque nos impulsionam com estas
honrosas titulações e diplomações, a continuarmos trabalhando,
incansavelmente, por uma Jundiaí sempre justa e solidária, onde mais
do que a moldura da bela serra do Japi, sobressai o encanto de cada
coração jundiaiense, que nos acolheu e nos abrigou, com todo o amor
que um ser humano pode manifestar.

Finalizo esta minha singela fala com um apelo clamoroso,
como éco também das homenagens aqui prestadas e já efusivamente
agradecidas: que este acontecimento que ora vivenciamos, memorável
porque nos une num só sentimento, faça nos seguir resolutamente em
direção ao dever ser, numa existência plena de sentido, porque este é o
desejo maior do Ser Supremo que nos permitiu estar aqui nesta noite e
nos criou para levantar sempre a bandeira do amor.

E por último, uma palavra de esperança. É certo que o
grande Mestre de Obras, com toda sua sabedoria infinita, atua
silenciosamente. Mas, o manual de instruções, embora escandaloso
para os racionalistas de hoje, está em todos os lugares, em todos os
idiomas e ao alcance de todos, e com ele, mais rápido do que
imaginamos, nos aproximaremos de nosso tão buscado dever ser.

Muito obrigado.

Dr. Malagodi

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *